quarta-feira, 20 de março de 2019

O CORVO, DE EDGAR ALLAN POE, TRADUÇÃO


Esta minha tradução d'"O Corvo", de Edgar Allan Poe, um dos poemas icônicos da poesia de qualquer tempo e lugar, foi realizada aos 17 anos, mas só parei de fazer pequenas alterações nela mais de trinta anos depois, como é comum nas traduções de poesia, e mais ainda num poema da tal complexidade formal. Como sempre foi muito bem recebida, aqui e em Portugal, republico-a no blog, em seguida ao seu texto original inglês.
         




                                     THE RAVEN

Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of someone gently rapping, rapping at my chamber door.
“ ’Tis some visitor,” I muttered, “tapping at my chamber door;
Only this, and nothing more.”

Ah, distinctly I remember, it was in the bleak December,
And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
Eagerly I wished the morrow; vainly I had sought to borrow
From my books surcease of sorrow, sorrow for the lost Lenore,
For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore,
Nameless here forevermore.

And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain
Thrilled me, filled me with fantastic terrors never felt before;
So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating,
“ ’Tis some visitor entreating entrance at my chamber door,
Some late visitor entreating entrance at my chamber door.
This it is, and nothing more.”

Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
“Sir,” said I, “or madam, truly your forgiveness I implore;
But the fact is, I was napping, and so gently you came rapping,
And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
That I scarce was sure I heard you.” Here I opened wide the door; —
Darkness there, and nothing more.

Deep into the darkness peering, long I stood there, wondering, fearing
Doubting, dreaming dreams no mortals ever dared to dream before;
But the silence was unbroken, and the stillness gave no token,
And the only word there spoken was the whispered word,
Lenore?, This I whispered, and an echo murmured back the word,
“Lenore!” Merely this, and nothing more.

Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
Soon again I heard a tapping, something louder than before,
“Surely,” said I, “surely, that is something at my window lattice.
Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore.
Let my heart be still a moment, and this mystery explore.
’Tis the wind, and nothing more.”

Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
In there stepped a stately raven, of the saintly days of yore.
Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
But with mien of lord or lady, perched above my chamber door.
Perched upon a bust of Pallas, just above my chamber door,
Perched, and sat, and nothing more.

Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
By the grave and stern decorum of the countenance it wore,
“Though thy crest be shorn and shaven thou,” I said, “art sure no craven,
Ghastly, grim, and ancient raven, wandering from the nightly shore.
Tell me what the lordly name is on the Night's Plutonian shore.”
Quoth the raven, “Nevermore.”

Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning, little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no living human being
Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door,
Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
With such name as “Nevermore.”

But the raven, sitting lonely on that placid bust, spoke only
That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
Nothing further then he uttered; not a feather then he fluttered;
Till I scarcely more than muttered, “Other friends have flown before;
On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before.”
Then the bird said, “Nevermore.”

Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
“Doubtless,” said I, "what it utters is its only stock and store,
Caught from some unhappy master, whom unmerciful disaster
Followed fast and followed faster, till his songs one burden bore,---
Till the dirges of his hope that melancholy burden bore
Of “Never _ nevermore.”

But the raven still beguiling all my fancy into smiling,
Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird and bust and door;,
Then, upon the velvet sinking, I betook myself to linking
Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore,
What this grim, ungainly, ghastly, gaunt, and ominous bird of yore
Meant in croaking, “Nevermore.”

Thus I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
To the fowl, whose fiery eyes now burned into my bosom’s core;
This and more I sat divining, with my head at ease reclining
On the cushion’s velvet lining that the lamplight gloated o’er,
But whose velvet violet lining with the lamplight gloating o’er
She shall press, ah, nevermore!

Then, methought, the air grew denser, perfumed from an unseen censer
Swung by seraphim whose footfalls tinkled on the tufted floor.
“Wretch,” I cried, “thy God hath lent thee — by these angels he hath
Sent thee respite — respite and nepenthe from thy memories of Lenore!
Quaff, O quaff this kind nepenthe, and forget this lost Lenore!”
Quoth the raven, “Nevermore!”

“Prophet!” said I, “thing of evil! — prophet still, if bird or devil!
Whether tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
Desolate, yet all undaunted, on this desert land enchanted —
On this home by horror haunted — tell me truly, I implore:
Is there — is there balm in Gilead? — tell me — tell me I implore!”
Quoth the raven, “Nevermore.”

“Prophet!” said I, “thing of evil — prophet still, if bird or devil!
By that heaven that bends above us _ by that God we both adore —
Tell this soul with sorrow laden, if, within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden, whom the angels name Lenore —
Clasp a rare and radiant maiden, whom the angels name Lenore?
Quoth the raven, “Nevermore.”

“Be that word our sign of parting, bird or fiend!” I shrieked, upstarting —
”Get thee back into the tempest and the Night’s Plutonian shore!
Leave no black plume as a token of that lie thy soul spoken!
Leave my loneliness unbroken! — quit the bust above my door!
Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!”
Quoth the raven, “Nevermore.”

And the raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon’s that is dreaming.
And the lamplight o’er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
Shall be lifted — nevermore!






                                    O CORVO

Numa meia-noite cava, quando, exausto, eu meditava
Nuns estranhos, velhos livros de doutrinas ancestrais
E já quase adormecia, percebi que alguém batia
Num soar que mal se ouvia, leve e lento, em meus portais.
Disse a mim: “É um visitante que ora bate em meus portais —
            É só isto, e nada mais”.


Ah! Tão claro que eu me lembro! Era num frio e atroz dezembro
E as chamas no chão, morrendo, davam sombras fantasmais,
E eu sonhava logo o alvor e p’ra acabar com a minha dor
Lia em vão, lembrando o amor desta de dons angelicais
A qual chamam Leonora as legiões angelicais,
            Mas que aqui não chamam mais


E um sussurro triste e langue nas cortinas cor de sangue
Assustou-me com tremores nunca vistos tão reais,
E ao meu peito que batia eu mesmo em pé me repetia:
“É somente, em noite fria, um visitante aos meus portais
Que, tardio, pede entrada assim batendo aos meus portais.
            É só isto, e nada mais”.


Neste instante a minha alma fez-se forte e ganhou calma
E “Senhor” disse, “ou Senhora, perdoai, se me aguardais,
Que eu já ia adormecendo quando viestes cá batendo,
Tão de leve assim fazendo, assim fazendo em meus portais
Que eu pensei que não ouvira” — e abri bem largo os meus portais: —
            Treva intensa, e nada mais.


Longamente a noite olhei e estarrecido me encontrei,
E, assustado, tive sonhos que ninguém sonhou iguais,
Mas total era o deserto e ser nenhum havia perto
Quando um nome, único e certo, sussurrei entre meus ais —
— “Leonora” — esta palavra — e o eco a repôs entre os meus ais.
            E isto é tudo, e nada mais.


Para o quarto então volvendo, toda a alma em mim ardendo,
Logo ouvi mais uma vez alguém batendo em tons iguais.
— “Certamente este ruído da janela é que é partido.
Nela irei, e esclarecido então serei destes sinais.
Sorverá o meu coração o desvendar destes sinais. —
            Isto é o vento, e nada mais”.


A janela abri então, quando, em estranha vibração,
Um altivo Corvo entrou, como os dos tempos ancestrais.
Não me fez um cumprimento, não deteve-se um momento,
Mas com ar de nobre acento pousou sobre os meus umbrais.
Pousou num busto de Palas que há por sobre os meus umbrais.
            Pousou mudo, e nada mais.


E este pássaro noturno fez-me menos taciturno
Com o modo rijo e sério dos seus gestos glaciais.
“Não trazendo embora crista”, disse eu, “ninguém avista
Covardia em tua pista, egresso de orlas infernais.
Qual é lá teu nobre nome, lá nas orlas infernais?”
            Disse o Corvo: “Nunca mais”.


E eu fiquei maravilhado vendo a ave ter falado
Tão correto, embora o senso fosse falho em frases tais;
Mas que todos digam sim a que jamais antes de mim
Viu um homem ave assim entronizada em seus umbrais,
Ave ou bicho sobre o busto que há por sobre os seus umbrais
            Se chamando “Nunca mais”.


Mas o Corvo empoleirado nada disse além, velado,
Como se coubesse inteiro nessas sílabas fatais.
Nem um gesto então vibrou e pena alguma se agitou,
Minha boca murmurou: — “Por amanhã também te vais,
Como os sonhos e os amigos voaram antes, tu te vais”.
            Disse o Corvo: “Nunca mais”.


Pasmo a ouvir esta resposta no silêncio tão bem posta
Disse: — “Ao certo ele só sabe esta expressão de funerais.
Deve tê-la ouvido um dia de um seu dono que sofria
Com a Desgraça que o seguia e na Miséria onde os seus ais
Foram ruindo e enfim compondo um estribilho feito em ais
            Que é este ‘Nunca, nunca mais’”.


Mas o Corvo novamente fez-me à dor sorrir contente
E sentei-me em frente a ele, olhando o busto em meus umbrais,
E enterrado no veludo somei sonhos, quieto e mudo,
P’ra entender, ligando tudo, o que dos dias ancestrais
Quis tal magra e agra ave negra desses dias ancestrais
            Ao grasnar-me “Nunca mais”.


Por ali fiquei pensando, mas nem sílaba falando
Aos seus olhos me queimando como chamas infernais
E afundei-me discorrendo, com a cabeça me pendendo,
Na almofada onde ia erguendo a luz cruel sombras triunfais,
No veludo onde ela à luz que me olha em sombras triunfais
            Não se deita, nunca mais!


Fez-se então o ar mais denso, como cheio de um incenso
Que espalhassem alvos anjos dando passos musicais.
“Infeliz! Por teu lamento Deus te deu o esquecimento”.
Disse a mim em pensamento: “Olvida a causa dos teus ais!
Deita logo este nepente em Leonora e nos teus ais!”
            Disse o Corvo: “Nunca mais”.


“Profeta!”, eu disse, “Ente mau! — Profeta em ave e obra infernal! —
Que o Demônio ou a tormenta aqui lançou nos meus umbrais,
Nesta casa e este deserto, nesta terra, ainda desperto,
Neste encanto escuro e incerto! Dize a mim, pelos meus ais!
Há um bálsamo em Galaad? Responde a mim, pelos meus ais!”
            Disse o Corvo: “Nunca mais”.


“Profeta!”, eu disse, “Ente mau! — Profeta em ave e obra infernal! —
Pelo Deus que é de nós dois e dorme em sombras eternais,
Dize a esta alma atormentada se no Éden que há além do nada
Há de achar a antiga amada que hoje em sons celestiais
Anjos chamam Leonora, em meio a sons celestiais”.
            Disse o Corvo: “Nunca mais”.


— “Que a esta voz voltes aos ares, ave ou diabo — vai! Não pares!
Volta até”, eu gritei de pé, “tuas turvas orlas infernais!
Não me fique pena alguma a te lembrar! Também se suma!
A mentira que te esfuma não me reste em meus umbrais!
Tire o bico do meu peito e a forma atroz dos meus umbrais!”
            Disse o Corvo: “Nunca mais”.


E o Corvo, que não voará, lá ainda está, lá ainda está
No busto branco de Palas, em meu quarto, aos seus portais;
E os seus olhos vão lembrando os de um demônio então sonhando,
E a luz, no chão escoando, lhe ergue a sombra em meus umbrais,
E minha alma desta sombra, que se alonga em meus umbrais,
            Não há de erguer-se — Nunca mais!


                                                                  Rio de Janeiro, 10 de junho de 1980


quinta-feira, 1 de novembro de 2018

O VANDALISMO NO BRASIL: UM BREVE PANORAMA


O VANDALISMO NO BRASIL: UM BREVE PANORAMA

                                                                                  

O conceito de patrimônio histórico-arquitetônico, o da sua evidentemente necessária preservação, que tão óbvio nos parece na atualidade, integrado ao senso comum de todos os povos, é, no entanto, impressionantemente tardio, mesmo entre aqueles que se julgavam, em determinado momento — e muitas vezes com justificadas razões — parte de uma espécie de vanguarda civilizatória.

Toda a cidade é uma constituição híbrida entre paisagem natural, realização da mão do homem e perspectiva no tempo, ou memória, aspecto híbrido, por sua vez, entre o tempo implacavelmente desaparecido e seus marcos presentes ou ausentes para sempre. Trata-se de uma equação que varia, de maneira drástica, de uma cidade para outra cidade, essa base sociomaterial da civilização surgida, em suas manifestações mais incipientes, há cerca de uma dezena de milênios, entre a Mesopotâmia e o Vale do Indo. Uma cidade como Paris, por exemplo, obra máxima da criação urbana no Ocidente, quase prescinde de uma base natural, exceção feita ao Sena, tão distante, por afeiçoado pela obra humana, do que seria em sua forma primitiva, e da única elevação mais significativa de Montmartre. No extremo oposto se situa o nosso Rio de Janeiro, onde a magnificência natural não só se sobrepõe a qualquer realização humana, como mantém com ela uma relação no mínimo conflituosa há mais de quatro séculos e meio. A perspectiva temporal também varia radicalmente entre as cidades, desde as bimilenares como Paris e Londres até aquelas que se aprofundam na noite dos tempos, como Roma, Atenas ou Istambul. Em todas elas, no entanto, desde a nossa relativamente jovem metrópole tropical de quatro séculos até aqueles mais que lendários cenários da aventura humana, tal perspectiva temporal enche os olhos dos moradores ou dos visitantes historicamente conscientes de uma vasta fantasmagoria do que existiu, sobreposta, como um persistente fantasma, ao que existe, e isso não só na paisagem material como na mutabilíssima paisagem humana. Retornando a Paris, é impossível ao caminhante ciente do passado não representar, perante a cour du Louvre, a imagem das Tulherias, estupidamente destruídas uma década após o incêndio ateado pela Comuna, do mesmo modo que, em relação a um monumento que sobrevive, a Coluna Vendôme, reaparece a espantosa imagem da mesma espalhada pelo chão da praça, como um salame fatiado, por ordem, aliás, do genial Courbet, durante aquele mesmo conflito. Impossível também é não evocar o fantasma dos belos e turbulentos pavilhões dos Halles de Balthar, em má hora destruídos, ao se atravessar o plácido e anódino jardim do atual Forum des Halles. Como fitar, do mesmo modo, os chafarizes coloniais ou do Reinado que se mantiveram no Rio de Janeiro, sem evocar o caótico e ruidoso encontro dos escravos aguadeiros à volta deles, local de uma compulsória sociabilidade tão bem evocada por alguns artistas viajantes, com destaque para o maravilhoso Hildebrandt? Tais espetáculos da memória, como já dissemos, são obviamente o privilégio de uns poucos, daqueles que cultivam a proximidade com essa quarta dimensão de suas vidas ou de suas passagens.

         Desde a sua descoberta pela expedição de 1501, primeiro ano do século XVI, o Rio de Janeiro, com a sua esplêndida baía, destacadamente no aspecto defensivo, entra no mapa dos choques de interesses entre as duas potências ibéricas e os seus inimigos retardatários. Fundada, na verdade, ao menos sob um certo ponto de vista, pelos franceses de Villegaignon, em 1555, aos quais depois, contraditoriamente, se juntariam calvinistas, num epifenômeno das Guerras de Religião, a verdadeira e lusitaníssima São Sebastião do Rio de Janeiro será oficialmente fundada apenas em 1º de março de 1565, no estreito terreno entre o Pão de Açúcar e o Morro Cara de Cão, onde hoje se ergue a Fortaleza São João. Se os franceses pretenderam haver fundado a sua Henriville, com algumas olarias e casas no bairro do Flamengo — a linha do mar ficava onde hoje passa a Rua Senador Vergueiro — e as fortificações, o Forte Coligny, na ilha de Serigipe, atual Ilha de Villegaignon, sede da Escola Naval, muito perto do Aeroporto Santos Dumont, nada, absolutamente nada de material, no sentido arquitetônico, sobreviveu dessas duas ocupações. A exagerada intolerância de Villegaignon, e a ainda pior dos huguenotes, que ameaçava castigar até com a pena de morte a fornicação entre os seus soldados e as índias, foi facilmente vencida pela jubilosa hipocrisia católica dos portugueses. Da França Antártica sobreviveram, grosso modo, a bela espada de execução que se encontra no Museu Histórico Nacional, uma preciosa carta do punho de Villegaignon que se conserva no Museu Naval, e diversos canhões de uma bateria na Ilha da Laje, varridos pelo mar e até hoje nele sepultados, pois nunca os reencontraram. Dois anos após a vitória, a cidade renasce — nasce, na verdade — no Morro do Castelo, ou de São Januário, a futura acrópole assassinada do Rio de Janeiro. Com a destruição do mesmo na década de 1920, sobrevivem hoje na cidade dois monumentos ao menos iniciados no século XVI, o Convento do Carmo, na Praça XV de Novembro, e o prédio velho da Santa Casa da Misericórdia, no largo e ao lado da ladeira do mesmo nome, aí incluída a igreja de N. S. do Bonsucesso, construída no primeiro século, mas com porta e janelas do século XVIII, e uma sineira, acima do frontão triangular, da mesma época, bem com um tardio interior oitocentista. Talvez o mais autêntico e melancólico testemunho do Rio do Quinhentos seja, no fim das contas, o aclive de quarenta metros da Ladeira da Misericórdia, rasgada em 1567 e calçada em 1616, o primeiro logradouro da cidade, que a provável preguiça dos bárbaros da Belle Époque, aliada ao fato de nela se escorar um dos anexos da santa Casa, permitiu que chegasse até nós. Como do primeiro século pouco há a falar, faremos, antes de passar adiante, um muito sintético e perfunctório histórico da luta entre o vandalismo e a preservação no Brasil, com destaque, por motivos óbvios, para a cidade que nos interessa.

         A história do vandalismo no Brasil — onde um capítulo importante, como não poderia deixar de ser, cabe à segunda capital, o Rio de Janeiro — estende-se, em seus momentos mais marcantes e numa visão simplista, da última década do século XIX até a década de 1940. Não que grandes perdas não se registrem depois, como demonstraremos, mas um declínio notável da destruição histórica, ou um aumento equivalente da proteção, é marcado pela criação do SPHAN, em 1937, assim como uma melhoria notável da conscientização popular em relação ao tema pode ser percebida a partir dos anos de 1980.

         São Paulo, que chegara à segunda metade do século XIX ainda com a marcante feição urbana e arquitetônica da velha Piratininga colonial, abre provavelmente o capítulo, com a demolição, perfeitamente injustificada, em 1896, da igreja e do Colégio dos Jesuítas, conjunto do início do século XVII, com remanescentes do século anterior, e marco maior da história do nascimento da cidade. O trauma dessa desaparição mostrará a sua força a partir da campanha, iniciada cerca de meio século depois, pela reconstrução do monumento, o que acabará por se efetivar nos anos de 1970, sob grandes protestos do IPHAN. Fato consumado, a restauração parcial do Pátio do Colégio, dentro do qual se inserem um muro original de taipa de sopapo — provavelmente quinhentista —, remanescentes dos retábulos do século XVII e os fundamentos da igreja original, com seus enterramentos, sob uma laje de concreto, parece hoje cumprir uma inegável função de marco afetivo na vida paulistana, sem que nada se tenha perdido com a sua construção.

                                 Igreja e colégio dos Jesuítas, São Paulo.


         Menos de uma década depois, Pereira Passos, o Haussman carioca, dá início na então Capital Federal ao célebre bota-abaixo, usufruindo dos plenos poderes a ele outorgados por Rodrigues Alves. A verdade é que essa imensa reformulação urbana do Rio de Janeiro, ao contrário do que alguns pensam, só atingiu basicamente a arquitetura civil residencial, raramente os grandes monumentos. Dentre estes, talvez o mais notável tenha sido a igreja de São Joaquim, ao lado do prédio do Colégio Pedro II, cuja demolição, em 1903, permitiu a união da Rua Estreita de São Joaquim com a Rua Larga do mesmo nome, dando origem a atual Avenida Marechal Floriano, ainda popularmente chamada Rua Larga por alguns. 

                                   Igreja de São Joaquim, Rio de Janeiro.

Desapareceu, na mesma época, o Mercado da Glória, projetado por Grandjean de Montigny, no largo do mesmo nome, que, sem nunca ter sido usado para as suas funções precípuas, havia-se transformado num cortiço, bem ao estilo carioca. De um modo ou de outro, com Passos ou não, acreditamos que desapareceria mais cedo ou mais tarde como todos os antigos mercados da cidade, até o último com qualidade arquitetônica, o imponente Mercado Municipal, em estrutura de ferro, inaugurado em 1908, e destruído, na virada das décadas de 1950 a 1960, para a passagem do Elevado da Perimetral, demolido por sua vez em 2013. 


                                      Mercado Municipal, Rio de Janeiro.

Alguns monumentos de importância pouco depois demolidos, como o Convento da Ajuda, em 1911, ou o Chafariz da Carioca, do mesmo arquiteto francês, em 1925, nada têm, obviamente com a ação de Pereira Passos, pois a década de 1910 mudará o alvo da destruição para a primeira capital, Salvador.

                                      Convento da Ajuda, Rio de Janeiro.


                 Chafariz de Grandjean de Montigny, Largo da Carioca.


         É com a conturbada posse de J. J. Seabra como governador — na época presidente — da Bahia, em 1912, após bombardeio da capital, que se inicia o período mais marcante de perdas de monumentos arquitetônicos naquela cidade — que, por outro lado, é, de todas as grandes metrópoles do Brasil, a que mais os conseguiu preservar — embora o ponto culminante da destruição estivesse reservado para a tardia década de 1930. A abertura da Avenida Sete de Setembro, no primeiro ano desse governo, redunda na destruição da muito bela igreja de São Pedro e na mutilação parcial de outros edifícios coloniais, embora o atentado máximo, a planejada demolição da igreja e do Mosteiro de São Bento, magnífico ainda que inacabado conjunto seiscentista, tenha sido impedida por forte reação popular. O Mosteiro de São Bento de Salvador foi salvo, pode-se dizer, por sua envergadura arquitetônica e social, o mesmo que acontecerá, três décadas depois, com a igreja da Candelária, no Rio de Janeiro. Perda dolorosa e injustificada, entre todas, no mesmíssimo período, foi a da igreja da Ajuda, construção quinhentista profundamente ligada à biografia do Padre Vieira, posta abaixo para o alargamento uma rua, e substituída, em terreno muito próximo do original, por um espúrio híbrido de neorromânico com manuelino. 

                                            Igreja da Ajuda, Salvador.


À sua desaparição se soma, em 1913, a do Convento das Mercês. A se lamentar igualmente, nessa gestão, foi a remodelação total do Palácio do Governo, rebatizado Rio Branco, que seria ainda uma vez remodelado em 1919, até o estado atual, de um eclético dos mais desgraciosos. Logo em seguida às destruições soteropolitanas ocorre, no Recife, a demolição da magnífica Matriz do Corpo Santo, decidida em 1913 e executada no ano seguinte, com o arrasamento de todo o entorno, inclusive do largo do mesmo nome, um dos pontos mais históricos da capital pernambucana.

                                    Matriz do Corpo Santo, Recife.


         Na década de 1920 o epicentro do vandalismo nacional — que por todo esse período nunca deixou de ser exercido na capital paulista — retorna para o Rio de Janeiro. É sob o pretexto da exposição comemorativa do Centenário da Independência, em 1922, que finalmente se dá início ao criminoso arrasamento do Morro do Castelo, propugnado por modernosos de vário calibre desde havia mais de um século. A administração Passos já arrasara anteriormente o Morro do Senado, sem nenhuma importância histórica, onde hoje se situa a Praça da Cruz Vermelha, assim como a década de 1950 assistirá ao arrasamento do Morro de Santo Antônio, porém poupando a única construção notável nele situada, o Convento de Santo Antônio, bem como preservando um pequena falda do morro onde vinha dar, partindo de Santa Teresa, o aqueduto da Carioca. O que é notável na destruição do Morro do Castelo é o fato de ela, além de incrivelmente tardia, não se limitar a um monumento, mas a um conjunto inapreciável deles. Não se trata da destruição do edifício primacial de uma metrópole, como no caso do Colégio de São Paulo, mas do próprio acidente geográfico onde se dera a verdadeira fundação, fato único na histórica, afirmamos, plagiando Euclides da Cunha. Toda uma acrópole quinhentista portuguesa, com duas igrejas e um forte do século XVI — em outras palavras, a matriz de São Sebastião, ou Sé Velha do Rio de Janeiro, a igreja e o convento dos jesuítas, o “castelo”, ou fortaleza que dera nome ao morro — sem contar as majestosas ruínas da inacabada igreja nova dos jesuítas, fontes, obras de arquitetura civil de todos os séculos da cidade, e o inteiro arruamento original, três ladeiras convergindo para uma única praça, veio abaixo a força de jatos d’água, sem o menor cuidado nem na salvação de algumas cantarias do maior valor, resultando numa das séries de fotografias mais impressionantes do século XX no capítulo da barbárie histórico-arquitetônica. Protagonizado pelo então prefeito da Capital Federal, Carlos Sampaio, que havia quatro décadas tentava cometer tal insensatez, e pelo Presidente da República, Epitácio Pessoa — tudo envolto em imenso gasto de dinheiro público e suspeitas de corrupção, como sempre —, esse atentado à mais ínfima sensibilidade histórica foi apoiado com denodo por muitos periódicos e mentes “progressistas”, e duramente criticado por alguns raros indivíduos de bom senso, como Lima Barreto e Monteiro Lobato.

                             Sé Velha do Morro do Castelo, em demolição.


                       Igreja e convento dos Jesuítas, no Morro do Castelo.


         Mal comparando, seria como se a municipalidade de Atenas resolvesse arrasar a Acrópole para aumentar a ventilação da cidade e criar um bairro novo, ou a de Paris afundasse a Île de la Cité no Sena para facilitar a navegação. A falta de qualquer preocupação maior no salvamento do que fosse possível transpira das fotografias, onde podemos ver solidíssimos edifícios, como a igreja dos jesuítas e o antigo convento, com seus poderosos contrafortes, inclinarem-se à beira do abismo, ainda com as bandeiras das janelas, como se fossem casas de bonecas ou brinquedos. Se até hoje o Rio de Janeiro se ressente de não ter nenhum monumento inscrito na conhecida lista de Patrimônios da Humanidade da Unesco — exceção feita à vaga categoria de “paisagem cultural” — deve-o a esse ato lamentável, pois, sem qualquer dúvida, nela estaria inscrito o conjunto arquitetônico e urbanístico do Morro do Castelo, ao lado, por exemplo — sob o aspecto do parentesco histórico, no caso a expansão colonial lusitana — daquele da Ilha de Moçambique, que lá se encontra devidamente arrolada.

         Salvaram-se do desastre os ossos do fundador, Estácio de Sá, que já em 1862 haviam sido exumados e reenterrados, numa dupla urna de chumbo e pau-brasil, na presença de D. Pedro II, assim como a magnífica lápide de seu segundo enterramento, de 1583, talhada em mármore de lioz. Da mesma Sé Velha, que sofrera certa adulteração — um injustificável soerguimento do frontão — em meados do século XIX, salvaram-se igualmente a imagem original do padroeiro da cidade e o chamado marco de fundação, que se encontrava no exterior do templo, junto a um dos cunhais. Essas três relíquias únicas se conservam atualmente na feíssima igreja neobizantina dos Capuchinhos, no bairro da Tijuca.

         Da fortaleza nada sobreviveu, nem o belíssimo pórtico. Da igreja dos jesuítas foram conservados um altar central e três laterais, com as suas respectivas imagens, assim como um púlpito. São os mais antigos retábulos da cidade, do final do Quinhentos, hoje conservados na igreja de N. S. do Bonsucesso, da Santa Casa da Misericórdia. No local onde esse conjunto precioso existiu, e ao qual se chegava, a partir da mesma Santa Casa, por um pequeno trecho da Ladeira da Misericórdia, nada foi, na verdade, construído até hoje, correspondendo a área, aproximadamente, à da Praça dos Expedicionários, até poucos anos uma das mais abandonadas e degradadas do centro da cidade, tendo ao centro um monumento ao Barão do Rio Branco. Da monumental igreja nova dos jesuítas, inacabada por causa da expulsão dos mesmos, sobreviveu um precioso conjunto escultórico setecentista português do Cristo crucificado entre N. S. das Dores e São João Evangelista, em tamanho maior do que o natural, que ficaria no altar-mor. Tal conjunto, uma das obras-primas da estatuária sacra existente no Brasil, conserva-se no hall do edifício novo do Colégio Santo Inácio, em Botafogo. Na fachada da igreja do mesmo colégio há algumas portas, janelas e capitéis em lioz retirados da mesma igreja inacabada, que depois abrigou por muitos anos o Observatório Nacional, espantosamente recobertos por tinta. Finalmente, nos jardins de um dos prédios da UFRJ, na Ilha do Fundão, podem ser vistos, espalhados ao ar livre, alguns monumentais capitéis, cunhais e outras partes em cantaria de lioz retirados do mesmo edifício. O fecho dessa década, no entanto, acontece em Pernambuco, onde o proprietário da casa-grande do Engenho Megaípe, construção acastelada sem igual no Brasil, originária do século XVII, a mandou destruir da noite para o dia, ao saber de uma pioneira lei para preservação de monumentos que seria votada no Estado, com o engenho em lugar de destaque na lista prévia de edifícios a classificar.


                              Engenho Megaípe, Jaboatão dos Guararapes.


         Consumada a barbárie carioca, uma década depois o episódio mais lamentável dessa pequena crônica do vandalismo retoma como cenário a capital baiana. Instigada por uma concessionária de bondes urbanos, a municipalidade de Salvador, em conluio com a Cúria Metropolitana, lança o inacreditável projeto da demolição da Sé, a Sé Primacial do Brasil, de origens quinhentistas e monumental fachada seiscentista, onde se encontrava, em meio a relíquias de toda ordem, muitos túmulos do primeiro século, inclusive os de todos os primeiros prelados soteropolitanos. Construída à beira de uma falésia, sua fachada original, toda esculpida em cantaria de pedra, que conhecemos por desenhos, teve que ser parcialmente desmontada no final do século XVIII, assim como as sineiras das torres, pois o excesso de peso ameaçava afundar o terreno. Restavam, na fachada frontal e lateral, as magníficas portas do século XVII. Um passadiço ligava o mais que venerando templo ao Palácio Episcopal. Como sempre, teve início a polêmica, com esforços literalmente heroicos de alguns homens para impedir o crime, até com abaixo-assinados e livros publicados, com destaque para um simples professor, Manuel Mesquita dos Santos, autor do livro-panfleto A Sé Primacial do Brasil. Nada adiantou, e em pleno ano de 1933, vinha abaixo — mais uma vez sem o menor cuidado, mais uma vez sem nem ao menos poupar os preciosíssimos portais de cantaria, que poderiam ter sido desmontados, mas foram reduzidos a pó a força de picaretas — a Sé Primacial do país, junto com dois quarteirões que continham alguns notáveis solares seiscentistas, e tudo isso para abrir caminho para uma linha de bondes. Por sorte, o grande Governador-geral do Brasil, Mem de Sá, havia sido enterrado na igreja dos jesuítas, que ajudara a construir, a magnífica Catedral Basílica que já havia muito assumira a função de Sé, pois se tivesse sido inumado, como seria mais natural, na Sé Velha, seus ossos sofreriam o mesmo destino dos de seu heroico sobrinho, fundador do Rio de Janeiro, e tudo em pleno século XX. 

                                      Vista lateral da Sé de Salvador.


Tais crimes, na verdade, permanecem como traumas irreparáveis nas mentes dos elementos cultos das populações das cidades que os sofreram, o que é o caso do Morro do Castelo para o Rio de Janeiro, da Sé para Salvador ou da antiga Catedral para Cuiabá, apenas como exemplo.

         Para terminar essa década de 1930 é necessário, no entanto, voltar à Capital Federal. Em seu início, vale registrar a perda, sempre lamentável, do antigo Recolhimento do Parto, na que é hoje a Rua Rodrigo Silva. Em 1937, ano mesmo da criação do SPHAN, a União mandou demolir o prédio da antiga Academia Real de Belas Artes, talvez o mais belo projeto de Grandjean de Montigny, já havia tempo, desde a sua transferência para a nova sede na Avenida Central, abrigando o Ministério da Fazenda — ao lado, aliás, do antigo prédio do Tesouro Nacional — para em seu terreno ser erguido o novo edifício daquele Ministério. Mal terminada a demolição, num episódio próximo ao ridículo, resolveram erguer o edifício do Ministério na Avenida Antônio Carlos, onde permanece, ficando o imenso terreno da Academia de Belas Artes transformado — até hoje, oitenta anos depois — em estacionamento. Num sinal claro de mudança de mentalidade, o magnífico pórtico neoclássico em gneiss carioca foi comprado pelo SPHAN da firma demolidora, e remontado no final de uma aleia do Jardim Botânico, onde nos dá uma ideia da beleza e do requinte da construção desaparecida. Em relação ao que foi feito no Morro do Castelo, quinze anos antes, houve um inequívoco progresso de sensibilidade.

                           Academia Real de Belas Artes, Rio de Janeiro.

        
         Na década de 1940 continuamos no Rio de Janeiro. Em plena ditadura do Estado Novo — a mesma que, em boa hora, criara o SPHAN em 1937, como já dissemos, sob a inspiração de Mário de Andrade e ação direta de Rodrigo de Melo Franco, embora só no ano seguinte se tenham efetivado os primeiros tombamentos — entra em ação a odiosa figura do “destombamento”, que terá próspera descendência. No interior do Estado do Rio de janeiro, sob o pretexto da necessidade da ampliação do reservatório de Ribeirão das Lajes, em pleno período da Guerra, para suprir a capital Federal de suficiente energia elétrica, é destombada e em seguida dinamitada a belíssima cidade de São João Marcos, marco histórico da cultura cafeeira na província fluminense, verdadeira joia arquitetônica encravada numa das mais belas regiões de todo o Estado. Uma vez destruída a cidadezinha pela Ligth and Power — o famoso “Polvo Canadense” — e elevado o nível do reservatório, constatou-se que a inundação havia sido apenas parcial, e que haveria possibilidade de, com algumas poucas obras de barrragem, preservar aquele maravilhoso núcleo urbano da passagem do século XVIII para o XIX. As perdas mais dolorosas aconteceriam, no entanto, na própria capital, com a abertura, com traçado implacavelmente retilíneo, da Avenida Presidente Vargas, belo exemplo do típico urbanismo fascista — em tudo semelhante, aliás, ao comunista — apesar dos insistentes apelos do SPHAN para a aceitação de um traçado opcional. Sem falar de alguns prédios públicos importantes e de uma larga faixa do jardim do Campo de Santana, a avenida provocou a demolição de uma igreja do início do século XVIII, mas de feição ainda seiscentista, a de São Domingos, de outra do mesmo século, a do Bom Jesus do Calvário, e finalmente de uma obra-prima da arquitetura religiosa colonial brasileira sem igual no Rio ou no Brasil, além de templo historicíssimo, a igreja borromínica de São Pedro dos Clérigos, da década de 1730. Seria difícil dizer o que mais admirar nesse pequeno tempo, se o seu traçado todo curvilíneo, se a magnificência do seu interior, todo entalhado pelo Mestre Valentim, se a sua importância na história da cidade. Foi proposta, na ocasião, a sua mudança para a margem da nova avenida, por inteiro, tecnologia mais do que conhecida naquela primeira metade da década de 1940, tendo em vista que, nos Estados Unidos, desde a primeira década do século se transferiam edifícios inteiros com até mais de dez andares. Sem apelar para essa tecnologia, o templo poderia perfeitamente ter sido desmontado e remontado à beira da avenida, tal qual, só como exemplo, foi feito em 1911, em Lisboa, com a igreja de N. S. dos Anjos, para a abertura da Avenida Almirante Reis. Lá se encontra até hoje essa bela igreja quinhentista, que nem o mais experimentado olhar arquitetônico imaginaria haver sido desmontada e reconstruída, não fosse a placa comemorativa desse evento. Pois nenhuma dessas soluções, por haverem sido consideradas dispendiosas, foi utilizada pelo então prefeito da capital, homem de conhecida insensibilidade histórica, Henrique Dodsworth, e a igreja veio abaixo. Seu magnífico portal em excelente cantaria, esse ao menos foi preservado e remontado, com a sua curvatura já sem finalidade, na nova igreja de São Pedro, templo sem nenhum estilo, no bairro do Rio Comprido, ao lado da Casa do Bispo, da traça do Brigadeiro Alpoim. Desse modo, sob o asfalto da Avenida Presidente Vargas, sob a incessante passagem dos ônibus e outros veículos, jazem os ossos do grande compositor Padre José Maurício Nunes Garcia, sepultado naquele templo. A Avenida, por fim, se revelou uma necessidade viária — função que em nada seria prejudicada com o projeto proposto pelo SPHAN — e um quase fracasso urbanístico, tendo em vista que os edifícios do seu lado esquerdo não chegaram nem ao Campo de Santana, e os do seu lado direito mal passaram da Rua Uruguaiana, a não ser muito recentemente. A maior parte da extensão da Avenida Presidente Vargas é, até hoje, ocupada por estacionamentos e terrenos vagos, com o decaído fundo do casario das ruas paralelas à mostra.

                            Igreja do Bom Jesus do Calvário, Rio de Janeiro.


                                 Igreja de São Domingos, Rio de Janeiro.


                          Igreja de São Pedro dos Clérigos, Rio de Janeiro.


         A partir dessa data, as destruições do patrimônio arquitetônico morfologicamente colonial ou neoclássico decaem bastante, enquanto começa a ficar perceptível uma espécie de décalage da visão preservacionista em relação a estilos considerados espúrios ou destituídos de qualquer interesse, como o Eclético, o Art Nouveau ou o Neocolonial, embora ainda possamos registrar, no mais que tardio ano de 1968, a demolição a dinamite da preciosa matriz de Cuiabá, magnífica igreja de origem bandeirista, com numerosos e ricos altares, que não fora tombada, provavelmente pelos preciosismos do IPHAN, pois sofrera algumas alterações facilmente sanáveis na fachada, no coroamento de uma de suas torres e com a construção de uma torre nova, simétrica à primeira. 

                                                 Catedral de Cuiabá.


Em seu lugar, no histórico solo em que estava enterrado Pascoal Moreira Cabral, foi erguida a nova catedral, de um mau gosto acima de qualquer descrição. No Rio de Janeiro, o desinteresse pelos estilos mencionados levou à perda do incomparável edifício do Elixir Nogueira, no bairro da Glória, de autoria de Antonio Virzi, assim como, pouco depois, do Palacete Martinelli, do mesmo arquiteto, exemplar que se aproximava da arquitetura fantástica, amontoamento delirante de todos os estilos de todas as civilizações. Embora fosse edifício sem similar no Brasil — seu luxo delirante foi usado como cenário em dois dos maiores filmes do cinema brasileiro, Ganga Bruta, de Humberto Mauro, e Terra em Transe, de Glauber Rocha, com mais de três décadas de distância — o IPHAN se negou a lhe reconhecer qualquer interesse maior, nacional, de acordo com ofício do seu então presidente Renato Soeiro, alegando uma juridicamente falsa necessidade de desapropriação, que, como qualquer um sabe, nada tem a ver com a figura do tombamento, nem o poderia. 

                             Elixir Nogueira, Rio de Janeiro. Cartão postal.


                                     Palacete Martinelli, Rio de Janeiro.


Ainda na mesma década de 1970, perdeu o Rio de Janeiro o melhor exemplar de residência neocolonial da cidade e do país, o assim denominado Solar de Monjope, de José Mariano Filho, propugnador do movimento. 

                                      Solar de Monjope, Rio de Janeiro.


Em parecer do IPHAN, Lúcio Costa chama-o de falsificação da casa brasileira, para depois, com grande bom-senso, recomendar a sua classificação em nível estadual. Ora, o Neocolonial nunca se propôs a reproduzir a autêntica casa brasileira, como já diz o “neo” da denominação, sendo antes um hibridismo de elementos portugueses, espanhóis e do colonial brasileiro e hispano-americano. Se era realmente abominável a “neocolonalização” de monumentos verdadeiramente coloniais, como foi feito no edifício do antigo Arsenal de Guerra e na Casa do Trem, durante a exposição de 1922, futura sede do Museu Histórico Nacional, enquanto ao lado se destruía o mais valioso colonial autêntico com a derrubada do Morro do Castelo; como foi feito no Paço Imperial, na malfadada reforma do governo Washington Luís, em que lhe coroaram o terceiro andar frontal com um ridículo frontão naquele estilo; como foi feito na fachada da igreja do convento de Santo Antônio, por um lamentável “frei-arquiteto”, em finais da década de 1920, a obra total e puramente neocolonial, como o extinto Solar de Monjope, como o preservado Instituto de Educação, eram marcos de um gosto e de uma época, admiremo-los ou não, situando-nos nós, pessoalmente, mais para o segundo caso. Em boa hora, aliás, o IPHAN “desneocolonizou” parcialmente o antigo Arsenal de Guerra e completamente o Paço Imperial, suprimindo tais acréscimos ridículos, e finalmente, ainda que em obra inacabada, a igreja de Santo Antônio, igreja de 1608, que nada de barroco tinha na fachada, com a exceção das três portas de lioz nela colocadas no século XVIII, no local da galilé original, e que até esta obra muito recente continuava com o grotesco frontão neocolonial elevado, com as vergas das três janelas, que eram obviamente retas, em arco abatido, e sem a linha da cimalha, também arrancada da magnífica igreja anexa da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência. Enquanto essas alterações espúrias não forem totalmente desfeitas — e o material fotográfico do estado original dos templos é imenso — o valioso conjunto conventual franciscano permanecerá implacavelmente adulterado. Curiosamente, o mesmo Lúcio Costa que chamou de “elaborada cenografia” o Solar de Monjope, no já lembrado parecer, foi o autor do projeto, elegante aliás, que transformou o cinema de Ouro Preto, pequeno edifício eclético, num simulacro meio colonial, meio neoclássico. Essa “colonialização” de um prédio eclético está talvez mais perto de uma “cenografia” do que o desaparecido Solar de Monjope. Quanto a restituições fáceis, necessárias e com sobeja documentação prévia, o que as dificulta é, geralmente, por parte de alguns arquitetos, uma leitura destituída de qualquer bom-senso da famosa “Carta de Veneza”, quando não de todo indefensável.

         O mesmo IPHAN que recuperou brilhantemente, com a retirada desses empastelamentos, o Convento do Carmo do Rio de Janeiro, a Sé de Olinda, o já mencionado Paço Imperial, a valiosa igreja de N. S. do Rosário de Cuiabá — que havia sido goticizada, tal como a primeira — manteve, na recente restauração da igreja do Carmo, a antiga Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro — talvez o templo historicamente mais importante do Brasil — as abomináveis reformas do Cardeal Arcoverde, na parte superior da fachada e na injustificável torre em estilo barroco italiano, que substituiu o poderoso e maciço campanário seiscentista original. Novamente havia material fotográfico exaustivo, de todos os ângulos imagináveis, do estado anterior da igreja, mas as adulterações foram mantidas, provavelmente, como já dissemos, por uma leitura extremada da “Carta de Veneza”, como se edifícios do Setecentos ou do Oitocentos adulterados no século XX fossem exemplares de arquitetura romana com acréscimos bizantinos, ou templos românicos com elementos góticos. Curiosamente, em recente restauração da igreja jesuítica de N. S. da Assunção, em Anchieta, no Espírito Santo, tão ligada à vida do padre do mesmo nome, hoje santo, a harmoniosa e singela fachada do século XVIII, com duas janelas, foi refeita — apenas por prospecções, sem absolutamente nenhuma iconografia — em seu provável estilo jesuítico inicial, com apenas uma janela ao centro e duas ladeando a portada, o que nos parece bastante defensável e realizado com muita seriedade. Mas qual critério, afinal, norteia tantas contradições?

         Faltou talvez ao IPHAN, a partir da década de 1960, em nossa opinião, o que poderíamos chamar de uma posição “profilática”, evitar a desaparição — sempre irreversível — de construções geralmente julgadas com pouco ou nenhum interesse pela presente geração, mas que sem dúvida se tornariam importantes para o olhar destituído de certos preconceitos da geração seguinte. Outro equívoco de maus resultados foi o purismo exagerado, o deixar de classificar monumentos importantíssimos por terem eles sofrido tal ou qual alteração, muitas vezes facilmente sanáveis, levando-os por fim à destruição. Exemplo notável dessa atitude está na “tombamento parcial” da casa natal do Senador Nabuco de Araújo, o pai de Joaquim Nabuco, na Avenida Sete de Setembro, em Salvador, magnífico solar do século XVII, com um terceiro andar com varanda e vãos em arco pleno, obviamente com feição do século XIX, e um moderno vão de loja rasgado no térreo. Pois apenas por causa desse vão descaracterizador, facilmente reversível, e do último andar reformado no século XIX, em muito bom estilo do mesmo, o que seria inclusive um documento interessante da adaptação de residências senhoriais baianas nesse período entre dois séculos, o tombamento realizado restringiu-se aos seguintes elementos, texto copiado fielmente do livro de tombo: “no térreo, portada nobre de pedra lavrada, com sua respectiva folha, pregaria e demais peças; duas portas de madeira no interior do saguão, ambas com bandeiras de ferro e uma delas com verga e ombreira de madeira. No primeiro pavimento: grade divisória de cômodo, em madeira recortada, servindo de vedação ao arco abaulado, entre o hall superior e a sala interna, folha da porta de acesso do salão principal; folha do armário da porta do corredor. No segundo pavimento: folhas de quatro portas com suas respectivas ombreiras e vergas, uma delas ostentando espelho de fechadura, folhas de duas janelas, com postigos, na sala de jantar”. Resultado dessa obra-prima do purismo exacerbado, a casa, que era inclusive uma casa histórica, foi demolida, já que só haviam sido tombados os “elementos decorativos”, que devem estar por aí, espalhados aos quatro pontos cardeais, alijados pra sempre da totalidade do seu contexto original. Quem se der ao trabalho de ler o Guia dos bens tombados: Bahia, lá encontrará, no item “Estado atual” referente a esta construção, laconicamente, a palavra “demolida”. O parecer de Lúcio Costa, ainda mais perfunctório, recomendava o tombamento exclusivo da portada. Semelhante salvaguarda de detalhes foi igualmente proposta para o belo solar neoclássico — nunca tombado e finalmente destruído — que se situava à Praça Condessa de Frontin, 52, no Rio de Janeiro.

         Outro aspecto a ser meditado era o quase constante desinteresse do IPHAN pelas “casas históricas”, “casas de grandes homens”, explicitamente revelado nesse curioso parecer do mesmo Lúcio Costa para o tombamento da casa de Graciliano Ramos, em Palmeira dos Índios, muitas vezes chamada de “casa natal”, embora o escritor tenha nascido em Quebrangulo:

         “Sou, em princípio, contrário ao tombamento de casas vinculadas a personalidades, porque a preservação desses lugares quase sempre resulta meio falsa e melancólica.”

Afirmação mais vaga e subjetiva é impossível, e chega a ser espantosa vinda de um homem de sólida formação europeia como foi o grande arquiteto. Tal visão, no fim das contas, foi que norteou a triste destruição do solar do Duque de Caxias, com seu belo jardim, na Rua Conde de Bonfim, no bairro da Tijuca, em 1980, curiosamente ainda em pleno governo militar, assim como a de tantas outras residências históricas. Se no Chile, entre Santiago e Valparaíso, conservam-se três casas-museus de Pablo Neruda, no Rio de Janeiro nada se salvou para um Machado de Assis. 

              Casa de Machado de Assis, na Rua Cosme Velho.


No campo literário, para nele nos mantermos, só nos lembramos de dois casos de classificação federal de construções sem valor arquitetônico apenas por sua importância histórica, a já lembrada casa de Graciliano Ramos e a barraquinha de madeira e zinco na qual Euclides da Cunha escreveu parte de Os sertões, em São José do Rio Pardo, São Paulo.

         Caso à parte, nos meados da década de 1970, foi a destruição do Palácio Monroe, cuja silhueta tanto marcava a paisagem carioca num dos seus sítios mais destacados. Obra do engenheiro e arquiteto Coronel Francisco Marcelino de Sousa Aguiar, foi projetado para ser o Pavilhão do Brasil na Exposição Universal de 1904, em Saint Louis, nos Estados Unidos, ocasião em que recebeu a medalha de ouro do Grande Prêmio Mundial de Arquitetura, sendo transferido e remontado na então Capital Federal dois anos depois, para sediar a III Conferência Pan-americana. Nesse caso, o fato de o prédio ter abrigado por anos o Senado Federal aumentava a impressão de puro vandalismo. Tal decisão foi, no entanto, de responsabilidade direta do então presidente Ernesto Geisel, o mesmo que, paradoxalmente, impediu a destruição do Copacabana Palace. São episódios típicos de um período ditatorial, entre os quais se inclui o destombamento e a demolição da igreja dos Martírios, no Recife, em 1973, mais uma vez para a abertura de uma avenida — tal qual havia sido permitida, vinte anos antes, na mesma cidade e em período democrático, a destruição parcial, pela Marinha, do Forte do Buraco. 

                                           Igreja dos Martírios, Recife.


A demolição do Monroe, por “inservível”, foi orquestrada e defendida radicalmente pelo jornal O Globo, grande acólito da Ditadura, com pleno apoio de Lúcio Costa, e acabou por se transformar em mais uma daquelas já mencionadas memórias traumáticas para a população carioca. Hoje, quando a Biblioteca Nacional necessita urgentemente de um anexo, o edifício do antigo Senado Federal poderia perfeitamente servir para essa função, inclusive com uma nada complexa ligação subterrânea entre os dois prédios, mas já que “inservível” o julgou o General Golbery do Couto e Silva, por ordem expressa de seu chefe, como inservível ele desapareceu.

                                      Palácio Monroe, Rio de Janeiro.


         Também na passagem da década de 1960 para 1970 o Rio de Janeiro assistiu à demolição de todo o centro do bairro da Lapa, por projeto de Lúcio Costa, entre outros motivos para “abrir vista” para o aqueduto, os célebres Arcos da Carioca. De fato, o aqueduto não proporcionava mais uma visão de conjunto, como no famoso quadro oval de Leandro Joaquim, mas quando uma parte dele se erguia sobre o casario próximo — o mesmo caso das catedrais europeias da Idade Média —, esse trecho apresentava, aos olhos do passante, uma escala monumental e uma surpresa que o vazio à sua volta fizeram desaparecer. O pretexto de “abrir vista” teria próspera descendência, e é curioso imaginá-lo em uso numa cidade como Roma, que poderia ser toda posta abaixo para “abrir vista” para os monumentos, até que só restasse um com uma vista de 360º, o mesmo caso de Paris. O projeto original da Lapa, felizmente nunca realizado, incluía a demolição de todo o casario do Largo e do início da Avenida Mem de Sá, aí incluídos a Sala Cecília Meireles, o antigo Hotel Bragança, etc. Em 1977 foi a vez do prefeito Marcos Tamoyo — que mereceria figurar com honra na galeria dos Sampaios e dos Dodsworths — lançar o projeto de demolição de todo o lado esquerdo da Rua da Carioca, ou seja, de todo o conjunto neoclássico, da década de 1870, das casas pertencentes à Ordem Terceira de São Francisco da Penitência, do Bar Luiz — a última delas, mas com fachada posterior art déco — do belíssimo e tão mal utilizado Cinema Íris, e tudo mais. O pretexto, dessa vez, era “abrir vista” para o Convento de Santo Antônio — na verdade a lateral da Ordem Terceira — pelo qual o prefeito se tomara de súbito e violento amor. Uma forte reação popular impediu tal estupidez, e temos orgulho de que a primeira carta a sair na imprensa em protesto contra o projeto, no caso no Jornal do Brasil, tenha sido escrita por nós, então aos 14 anos de idade. É notável, aliás, o número de conjuntos arquitetônicos que foram preservados no centro do Rio por pertencerem a alguma Ordem ou Irmandade, como é o caso da carreira de casas da Ordem Terceira na Rua da Carioca, de que acabamos de falar, do casario do Largo de São Francisco da Prainha, da mesma Ordem, ou de toda a carreira de casas pertencentes à Irmandade da Santa Cruz dos Militares, entre o fundo dessa igreja e o mar, na Rua do Ouvidor. Ainda um caso de demolição para “abrir vista”, na década de 1970, foi o do antigo edifício do Ministério de Agricultura, originalmente Pavilhão das Indústrias da Exposição de 1922, que se erguia bem em frente do precioso conjunto colonial da Santa Casa da Misericórdia, à esquerda do qual o que restou Ladeira da Misericórdia termina melancolicamente no vazio. Popularmente conhecido como “Bolo de Noiva” não era prédio de maior mérito arquitetônico, ainda que a sua cúpula vazada tivesse certa imponência quando vista de alguns ângulos do centro da cidade.

         O período entre as décadas de 1970 e 1980 deu igualmente ensejo, no Rio de Janeiro, a grandes destruições da arquitetura civil por causa das obras do Metrô, que nos países civilizados comumente passam abaixo dos prédios, mas que nos terrenos arenosos ou aluvionários do Rio de Janeiro têm por hábito demolir tudo o que se encontra em cima, necessariamente ou não. Foi o que ocorreu com o belo edifício do Correio da Tijuca, bairro, aliás, que perdeu, na década de 1980, três ou quatro casarões verdadeiramente preciosos, de um período ainda quase rural, perante o silêncio perfeitamente desinteressado dos seus habitantes.

         Se o mais antigo momento de que nos lembramos em que o senso da preservação aparece na humanidade foi o dia em que Alexandre, o Grande, dando ordens para a destruição total de Tebas, ordena que seja poupada unicamente a casa em que vivera Píndaro, a verdade é que a concepção ideológica de patrimônio sempre foi obra de intelectuais, desde os beneméritos que corajosamente salvaram relíquias de imenso valor em pleno furacão da Revolução Francesa, até os escritores que consolidaram a ideia no século XIX, de Prosper Merimée a Victor Hugo, o único homem que, graças ao seu prestígio universal, conseguiu, com um bilhete, que as recém-descobertas Arenas da Lutécia não tivessem sido destruídas para dar espaço a uma garagem de ônibus. Quanto a Prosper Merimée, secundado nessa ação por Viollet-le-Duc, não podemos esquecer que foi o salvador das incomparáveis muralhas de Carcassone, cuja demolição fora oficialmente decretada em 1850, o hoje que chega a ser difícil de acreditar. No Brasil o processo não foi diverso, já que o primeiro relator da lei que criava o SPHAN foi Mário de Andrade, e o seu grande diretor na fase heroica foi o também intelectual e escritor Rodrigo Melo Franco de Andrade. A partir dos anos de 1970 assistimos a uma crescente tecnicização do Patrimônio — na verdade de todas as relações sociais — cada vez mais na mão exclusiva de arquitetos. Há arquitetos e arquitetos, e inclusive alguns dos maiores criadores do Internacional Style no século XX, às vezes homens geniais, eram destituídos do mais ínfimo senso de preservação, a começar pelo pai de todos, Le Corbusier, autor da mais que conhecida planta da remodelação de Paris, onde quase toda a cidade, com a exceção da Île de la Cité, era substituída por conjuntos de arranha-céus em centro de terreno, muito parecidos com os da nossa Barra da Tijuca, o que dispensa comentários. É célebre a frase de Clemenceau: “La guerre est une chose trop sérieuse pour la laisser faire par des militaires”. Poderíamos repeti-la, com as grandes e honrosas exceções de sempre, na equação patrimônio histórico e arquitetos. Se pensarmos na história da crítica de arte, constataremos que os seus grandes nomes, de Winckelmann a Apollinaire, de Baudelaire a Ruskin, de Huysmans a Panofsky, não foram artistas plásticos, mas homens dedicados a outras artes ou simplesmente intelectuais.

Na verdade, como em todas as atividades humanas, essa força imponderável, a moda, os modismos, os maneirismos, conduz a dança. Até 1970, por exemplo, tínhamos “museus”, depois vieram os “espaços”, em seguida os “centros de referência”, e no momento em que são escritas estas linhas dominam as bastante ridículas “ocupações”.  A partir de certa época passou a ser de bom tom, no caso de velhas edificações onde o interior havia caído em ruínas, construir um corpo recuado, deixando a fachada solta e isolada, quando a coisa mais fácil e lógica seria refazer os telhados e os pisos, e assim a volumetria e a totalidade do original. Exemplo medonho de tal modismo encontramos nos os dois sobrados da segunda metade do XIX, pertencentes à Escola de Música da UFRJ, ao lado da Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro. E isso para dar um certo ar de “autenticidade”, em edifícios cujo valor reside quase que apenas no conjunto em que se encontram, e dos quais as técnicas construtivas são conhecidas à exaustão. Proposta semelhante é a que tem sido veiculada para o Solar do Visconde de São Lourenço, caído em ruínas — ou, melhor dizendo, voluntariamente demolido, num episódio escabroso — na esquina da Rua dos Inválidos com a do Riachuelo, no Rio de Janeiro, embora sobre ele exista exaustiva documentação fotográfica e um levantamento minucioso, com todas as plantas, feito por José Pessôa.  Os alemães podem reconstruir desde os fundamentos a Frauenkirche de Dresden, os russos podem refazer, pedaço por pedaço, o Salão de Âmbar roubado pelos nazistas, mas para nós, brasileiros, não é de bom tom reerguer as paredes faltantes do Solar do Visconde de São Lourenço, para que ele abrigue algum “centro de referência” ou alguma “ocupação”, pois de “falsificação” se trataria. 

Para finalizar, se tomarmos os incêndios como uma espécie de vandalismo por incúria, podemos lembrar, em Salvador, e no espaço de mais de um século, o da Faculdade de Medicina, antigo Convento dos Jesuítas, o do precioso Paço do Saldanha, o da Igreja da Barroquinha, os do Mercado Modelo e, recentemente, o do Solar da Boa Vista, no qual viveu Castro Alves. Neste mesmo século XXI assistimos à destruição da matriz de Pirenópolis, a mais bela igreja do Centro-Oeste, bem como a da nave da Igreja do Carmo em Mariana. Para encerrar, voltando ao Rio de Janeiro, lembramo-nos do incêndio da muito histórica Igreja de N. S. do Rosário e São Benedito, o do MAM, com todo o seu acervo, o da capela do antigo Hospício Pedro II, e, tragédia máxima e incomensurável, a atroz destruição pelo fogo do Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, que nem merece comentários.